Marque já a sua consulta (21) 3268-3492 (21) 99056-8583 Marque sua consulta

Fones de ouvido intra-auriculares: inimigos ou inofensivos?


mulher ouvindo musica no celular com fones de ouvido
Estudos recentes apontam que perda auditiva em razão do uso de fones de ouvido já é uma realidade alarmante
Na academia, no transporte público, no trabalho ou até mesmo dentro de casa, os fones de ouvido já se tornaram acessórios inseparáveis para muitas pessoas. No entanto, ainda que facilitem a prática de ouvir nossas músicas preferidas, esses apetrechos podem se tornar um grande problema para a saúde quando usados de forma imprudente. Por isso, a dra. Manoela Palmeira, otorrinolaringologista da Medcenter, esclarece as principais dúvidas e dá dicas sobre o uso correto da tecnologia.
Afinal, é dor de cabeça ou enxaqueca? Para explicar essa e outras diferenças, o dr. Guilherme Spitz, neurologista da Medcenter, esclarece esse assunto.

É realmente um risco?
A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou recentemente algumas notícias alarmantes: 1,1 bilhão de jovens correm o risco de perda auditiva que pode alterar sua vida por causa da alta exposição a ruídos. A OMS define essa perda auditiva induzida por ruídos como sendo causada por:
  • Exposição sustentada a ruídos moderadamente altos (80 decibéis por oito horas);
  • Exposição de curto prazo a ruídos muito altos (15 minutos ouvindo som acima de 100 decibéis).
Embora fatores de risco para a audição incluam espaços como bares, clubes e locais com música alta, a instituição aponta que os fones de ouvido são o principal problema.

Por que prejudica a audição?
De acordo com a dra. Manoela Palmeira, o ouvido humano não é adequado para tolerar ruídos altos. “A audição é um sistema complexo, mas, em termos simples, o som é percebido como uma reação no cérebro à vibração de minúsculos fios capilares dentro de uma câmara no ouvido interno. O atrito entre superfícies diferentes resulta em movimento no ar, e esse movimento faz com que esses fios vibrem de maneiras diferentes, criando sons distintos.”
“A música alta aumenta a força dessas vibrações. Se as vibrações são muito intensas por muito tempo, os fios não conseguem suportar a carga e param de funcionar corretamente. Dependendo de quanto tempo você ouviu a música e do quão alta ela estava, é possível perder sensibilidade temporariamente ou sofrer um dano permanente”, explica a especialista.

O tipo de fone de ouvido faz diferença?
A médica também salienta que, embora alguns tipos de fone sejam mais recomendáveis que outros, a principal diferença se faz na forma como eles são utilizados. “O simples fato de usar fone de ouvido não vai afetar a sua audição, mas sim a forma como o acessório é utilizado. Por outro lado, os fones intra-auriculares são mais prováveis de causar danos à audição por apresentarem a saída de áudio muito próxima ao canal auditivo, causando ainda mais pressão aos músculos dessa região.”

Como se prevenir?
As principais medidas que podem proteger a audição e evitar a perda auditiva induzida por ruídos causada por fones de ouvido são:
  • Não escutar música no volume máximo;
  • Estabelecer um volume máximo permitido no celular;
  • Não aumentar o volume em ambientes barulhentos;
  • Evitar a exposição a ruídos por tempo prolongado;
  • Dar preferência a fones extra-auriculares.