Marque já a sua consulta (21) 3268-3492 (21) 99056-8583 Marque sua consulta

Quais as principais diferenças entre asma e Covid-19?


Asma
Apesar de apresentarem sintomas semelhantes, doenças têm tratamentos distintos e exigem atenção dos pacientes
Como uma das doenças pulmonares crônicas mais comuns no país, a asma é uma inflamação do sistema respiratório e pode causar diversos sintomas, como aperto no peito e dificuldade para respirar, principalmente à noite, após a prática de exercícios físicos e com a mudança climática. Porém, desde o início do ano, esses sinais também podem ser observados nos casos mais graves de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Mas como distinguir as duas condições?

Segundo a dra. Monica Giesta, clínica geral da Medcenter, apesar de semelhantes, a asma e a Covid-19 têm origens muito diferentes. Enquanto a asma pode ser causada por fatores genéticos – como histórico familiar – e exposição a fatores ambientais – como poeira e variações climáticas, a Covid-19, pelo que é conhecido até o momento, é uma patologia infectocontagiosa transmitida pelo coronavírus SARS-CoV-2.

“Outra diferença importante é que a asma é considerada uma doença crônica. Ou seja, o seu curso costuma ser bem mais prolongado no paciente, que pode apresentar sintomas e eventuais crises durante meses e até mesmo anos. No caso da Covid-19, sua manifestação tem a tendência de ser controlada em cerca de duas semanas”, explica a médica.

Em meio a dúvidas, muitos asmáticos estão deixando de procurar atendimento hospitalar por medo de contágio pelo novo coronavírus. No entanto, é fundamental que esses pacientes busquem a orientação de um médico sempre que os sintomas parecerem mais agudos, com a presença de febre, coriza, cansaço e dores corporais. Caso o quadro do paciente piore sem que ele tenha tratamento especializado, ele pode colocar a saúde em risco.

“Apesar de, até o momento, os portadores de doenças pulmonares crônicas – como a asma – não estarem no grupo de risco para a Covid-19, é importante que eles procurem avaliação médica em caso de suspeita de contágio. Isso porque, em alguns casos de infecção viral, é possível que os sintomas respiratórios da doença de base sejam agravados, ou seja, os pacientes asmáticos podem vivenciar mais falta de ar e dores no peito do que de costume se estiverem com Covid-19”, afirma a dra. Monica.

Para se protegerem do vírus, pessoas com asma devem seguir as mesmas orientações preconizadas para toda a população pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde, incluindo o isolamento social – com exceção de piora dos sintomas da asma, quando o paciente deve ir ao hospital – e a higienização constante das mãos com água e sabão ou álcool gel 70%.