Marque já a sua consulta (21) 3268-3492 (21) 99056-8583 Marque sua consulta

Conheça cinco benefícios de uma vida sem cigarros


combate ao tabagismo
O Dia Mundial sem Tabaco reforça a conscientização sobre os males do tabaco para a saúde
Responsável diretamente por diversas doenças e danos à saúde, o tabagismo é considerado a principal causa de morte evitável no mundo. Para combater essa realidade, foi criado o Dia Mundial sem Tabaco, data comemorada em 31 de maio, que visa conscientizar a população sobre os danos do cigarro, que, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), faz mais de 6 milhões de vítimas por ano.
Segundo a dra. Monica Giesta, clínica geral da Medcenter, são muitas as doenças que o tabaco pode causar no organismo, desde as pulmonares, pancreáticas, intestinais e respiratórias até as que afetam diretamente o coração e a circulação sanguínea, além de ser um agente apontado em diversos tipos de câncer. Porém, a boa notícia é que o ato de parar de fumar pode trazer diversos benefícios à saúde. Conheça alguns deles, a seguir:

1. Melhor qualidade de vida

Qualquer vício – seja em tabaco, seja em outras substâncias – pode estar ligado a maus hábitos de vida. Sendo assim, livrar-se dele pode abrir uma nova realidade para trabalhar a mente, desenvolver novos hobbies e trazer mais qualidade de vida para o dia a dia.

“E não é só o fumante em si que se beneficia com isso. Os familiares e amigos que convivem com fumantes, os chamados fumantes passivos, também são afetados pela fumaça e, consequentemente, pelos males do tabaco e das milhares de substâncias ruins do cigarro. Uma vez que o fumante cessa o vício, a saúde de quem vive com ele também melhora”, afirma a médica.

2. Menor chance de desenvolver câncer

O câncer de pulmão é, geralmente, a doença associada ao tabagismo, mas diversas pesquisas médicas confirmam que o cigarro pode ser responsável por diversos outros tipos de doença do sistema respiratório, como o câncer de garganta, de boca, de laringe, de faringe e de bexiga.

Nas mulheres fumantes, o perigo pode ir além: segundo o Centro para Pesquisa em Câncer Fred Hutchinson, em Seattle, nos Estados Unidos, quem fuma mais de um maço por dia tem mais chance de desenvolver câncer de mama em relação às mulheres que não são fumantes.

3. Mais disposição para praticar atividades físicas

Como o fumo prolongado afeta o sistema respiratório e os pulmões, o fôlego e a disposição do fumante geralmente ficam comprometidos, o que impede que ele faça muito esforço e até mesmo pratique esportes e atividades físicas mais intensas. Até mesmo uma caminhada pode ser difícil para quem fuma. Segundo a dra. Monica, abandonar o tabagismo e adotar um estilo de vida mais saudável pode devolver a disposição perdida e melhorar o condicionamento físico.

4. Mais saúde em geral

Além de atuar negativamente no organismo, a nicotina, ingrediente ativo e um dos mais nocivos do cigarro, prejudica o esmalte que cobre os dentes, deixando-os mais escuros e frágeis a longo prazo. O mesmo acontece com a saúde da gengiva, que fica mais propensa à gengivite e a outras doenças. Por fim, a maioria dos fumantes tem um mau hálito característico.

O cigarro ainda e apontado como causa de úlceras gástricas, osteoporose, catarata, impotência masculina, e nas mulheres complicações na gestação e infertilidade. Também envelhecimento precoce e opacidade na pele.

5. Mais foco mental

Segundo a dra. Monica, as vantagens de abandonar o tabaco não param apenas na saúde física. Ex-fumantes também podem ter menos episódios de ansiedade e sensação de angústia ao abandonarem o vício.

Como parar de fumar pode ser um processo desafiador, é indicado que familiares e amigos formem uma rede de apoio ao redor do paciente que deseja largar o vício, oferecendo suporte nas horas de mais necessidade. Caso seja necessário, a ajuda de um psicólogo também pode ser fundamental para desvendar os motivos do vício em cigarro e encontrar a melhor maneira de tratá-lo. Além disso, o acompanhamento médico também pode se fazer necessário, já que algumas medicações prescritas sob supervisão médica também auxiliam nesta etapa, principalmente, na síndrome de abstinência do tabaco.